CCEA

CENTRO CULTURAL ESCRAVA ANASTÁCIA

CCEA

Procurando Caminho:

Atendimento à adolescentes e jovens das comunidades empobrecidas de Santa Catarina, envolvidos com a criminalidade e o narcotráfico, em situação de vulnerabilidade e risco social. No total foram realizados 201 atendidos diretos e 148 atendimentos pontuais.

Casa de Acolhimento Darcy Vitória de Brito:

Oferece acolhimento, cuidado e espaço de desenvolvimento para grupos de crianças e adolescentes em situação de abandono ou cujas famílias ou responsáveis encontrem-se temporariamente impossibilitadas de exercer sua função de cuidado e proteção. Disponibiliza atendimento especializado e funciona como moradia provisória até que seja viabilizado o retorno à família de origem ou família substituta. Caso não seja possível, encaminhado para adoção. O acolhimento institucional não é considerado um fim, mas um meio de garantir a proteção mediante uma situação de violação de direitos. Porém, entende-se que outras medidas de proteção devem ser usadas antes do Acolhimento Institucional. Com 25 atendidos.

Casa de Acolhimento para População em Situação de Rua:

A casa  oferta atendimento integral garantindo condições de estadia, convívio, endereço de referência e acolhimento a pessoas em situação de rua. Com 100 atendidos.

Centro de Referência em Direitos Humanos de Joinville e Lages:

Ação que presta serviço de apoio, orientação e acompanhamento a pessoas em situação de ameaça ou violação de direitos, compreendendo atenções e orientações nas áreas de serviço social, psicologia e direito, direcionadas para a promoção e proteção de direitos, a preservação e o fortalecimento de vínculos familiares, comunitários e sociais diante do conjunto de condições que as vulnerabilizam e/ou as submetem a situações de risco pessoal e social. Com 375 atendidos.

PROVITA/SC – Programa de proteção a vitimas e testemunhas ameaçadas:

Presta serviço de apoio, atenção integral e proteção a pessoas vítimas e testemunhas ameaçadas, pelo crime organizado. O programa, além da proteção à vida, com a garantia da integridade física de vítimas e testemunhas e seus familiares, está voltado para a garantia dos direitos humanos, com o objetivo de romper com a cultura do medo e da violência, garantindo a melhoria da qualidade de vida dos seus usuários, através do acesso à formação e qualificação profissional, inserção no mundo do trabalho, elevação da escolaridade, acesso à cultura e cuidado com a saúde. Com 30 atendidos.

Programa Jovem Aprendiz:

Ação que mobiliza e encaminha adolescentes de 14 a 24 anos para cursos de capacitação profissional e os insere no mundo do trabalho através do Programa de Aprendizagem (Lei Nº 10.097/2000).  Como entidade formadora, o CCEA busca a articulação das várias políticas setoriais que visam à integração da população mais vulnerabilizada ao mundo do trabalho e a aproximação com órgãos e entidades governamentais e não governamentais que ofertam ações de formação profissional, inclusão produtiva e intermediação de mão de obra.

Rito de Passagem:

Serviço de convivência e fortalecimento de vínculos para adolescentes e jovens de 15 a 17 anos, provenientes das entidades da Rede IVG. Teve por foco contribuir para fortalecimento da convivência familiar e comunitária, fomentando também o retorno ou permanência na escola,  através de atividades que estimularam a convivência social, a participação cidadã e uma formação geral para o mundo do trabalho.

República para adultos em processo de saída das ruas:

Serviço que ofereceu proteção, apoio e moradia subsidiada a pessoas adultas com vivência de rua em fase de reinserção social, em processo de restabelecimento dos vínculos sociais e construção de autonomia. O atendimento apoiou a construção e o fortalecimento de vínculos comunitários, a integração e participação social e o desenvolvimento da autonomia das pessoas atendidas.

Grupo da Terceira Idade “Rosário da Luz”:

Ação que contribui com a promoção do acesso de pessoas idosas aos serviços de convivência e fortalecimento de vínculos e a toda a rede socioassistencial, aos serviços de outras políticas públicas, serviços setoriais e de defesa de direitos e programas especializados de habilitação e reabilitação.

Almoço População de Rua:

Almoços para população em situação de rua. São mais de 120 voluntários que se dividem em 10 equipes de trabalho e atuam nos 4 ou 5 domingos do mês. A cada domingo, uma equipe faz/fornece em torno de 230 almoços e outra equipe faz/fornece suco e sobremesa, distribui o almoço e arruma o salão antes e depois do evento.