ACAM lança livro sobre a vida de Irmã Hedwiges, fundadora da entidade

A Associação de Amigos da Casa da Criança e do Adolescente do Morro do Mocotó (ACAM) lança, nesta quinta-feira (18), o livro “Irmã Hedwiges: Uma vida doada ao povo do Mocotó”, escrito pela jornalista Juliana Wilke. Em comemoração ao aniversário de 89 anos da religiosa, o lançamento acontecerá de forma virtual, com transmissão pela conta da associação no Instagram (https://instagram.com/acammocoto).

Irmã Hedwiges com crianças atendidas pela ACAM. Crédito: ACAM

Recheada de fotos, a obra narra a trajetória de vida da religiosa desde a infância em Linha Chapéu, interior de Itapiranga (SC), até a mudança para o Morro do Mocotó, em 1979. Ali, Hedwiges fundou a ACAM, uma das ONGs integrantes da Rede IVG, de Florianópolis, e se tornou sócia benemérita do Instituto Padre Vilson Groh (IVG).

Inserida na comunidade, Hedwiges Hofer provocou uma verdadeira transformação social. Esteve à frente das principais reivindicações, como o acesso à água encanada e ao esgotamento sanitário, a legalização das terras e de um projeto lindo desenvolvido junto às crianças.

A Irmã não descansou enquanto não conseguiu um lugar adequado para receber e cuidar das crianças e jovens no contraturno escolar. O trabalho se estendeu ao atendimento das famílias e tornou o morro um lugar melhor para se viver.

Irmã Hedwiges tem um legado de luta pela transformação social na comunidade do Morro do Mocotó. Crédito: ACAM.

Presenças confirmadas no lançamento do livro “Irmã Hedwiges: Uma vida doada ao povo do Mocotó”

Além da Irmã Hedwiges, entre as participações confirmadas estão o Pe. Vilson Groh, presidente do Instituto Pe. Vilson Groh; a jornalista e escritora da obra, Juliana Wilke; e o presidente da ACAM, Cláudio F. Ramos Jr.


Compartilhe esta publicação


1 comentário para "ACAM lança livro sobre a vida de Irmã Hedwiges, fundadora da entidade"

  • Parabéns pelo lindo trabalho da Irmã Hedwiges e do Pe Vilson que se dedicam incansavelmente nos projetos sociais para as pessoas que muitas vezes são excluídas na sociedade. Sugiro para quem tiver interesse, ir lá conhecer.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *